quarta-feira, 18 de junho de 2008

CAROL LARA


Carol Lara é jornalista, escritora e tem 26 anos. Concedeu esta entrevista ao blog Sociedade Mutuante em 18/06/2008.


QUAL VERTENTE ARTÍSTICA SEGUE? ALÉM DESTE SEGMENTO, HÁ OUTRAS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS QUE GOSTARIA DE EXPERIMENTAR?
Não tem nenhuma vertente específica na qual sigo. Gosto de experimentar. Acho incrível o jeito como os grupos de vanguarda européia como dadá, Fluxus, Punk e vanguarda nacional como o neo-concretismo lidavam com o conceito de arte. Transito entre diferentes formas como o canto, a dança e a poesia. As vezes as faço encontrar e as vezes as separo, pois há momentos em que cada linguagem quer ser ela mesma.


POSSUI TRABALHOS PUBLICADOS? QUAIS?
Possuo matérias sobre arte contemporânea nos cadernos de cultura dos jornais Hoje em dia e O Tempo e poemas publicados em fanzines e jornais de poesia como no Dezfaces.

QUANDO COMEÇOU A SE ENVOLVER COM ARTE?
Efetivamente quando me envolvi com a poesia em forma de canção, como possibilidade de criação. Mas a arte sempre esteve presente em minha vida. O cinema, a dança, os personagens, sejam eles figuras da filosofia ou literatura, sempre me afetaram, causaram mudanças.

PODERIA RELATAR DE FORMA SIMPLIFICADA UM DIVISOR DE ÁGUAS EM SUA CARREIRA?
Primeiramente não acredito ter uma carreira. Mas entendi uma diferença significativa: a poesia como canção x poesia sonora. Quando descobri que musicar um poema não é o mesmo que sonorizar um poema.

INFLUÊNCIAS E/OU PREDILEÇÕES?
Arnaldo Antunes, Adriana Calcanhotto, Vera Casa Nova, Didi-Huberman, Walter Benjamim, Gilles Deleuze, Félix Guattari, Marcelo Dolabela, Zéfere, Francesco Napoli, Tuca Pinheiro,Sylvia Marteleto (de Berlim), Marco Paulo Rolla, Tristan Tzara, Hugo Ball, Fernando Pessoa, Machado de Assis, Carlota Damiana, Wilson de Avellar, Jean Sans-Coeur, Mello e Castro, Giovanna Lara, Luciano Nunes de NY city e vários outros, todos aqueles que respiram poesia.


UM MOMENTO MARCANTE EM SUA TRAJETÓRIA?
Performance em homenagem aos 90 anos russos na livraria Scriptum com Marcelo Dolabela e Francesco Napoli.

QUAL É A SUA FORMAÇÃO? EM QUE MEDIDA ESTA INFLUENCIOU SUA TRAJETÓRIA ARTÍSTICA?
Sou jornalista e mestranda em literatura. As duas formações influenciam fortemente na minha trajetória artística na medida em que me colocam em contato com diversas formas de produção artística como o cinema, o vídeo, a poesia etc...


ATUALMENTE, SEU PROJETO DE PESQUISA DO MESTRADO É SOBRE A POESIA SONORA NA OBRA DE MARCELO DOLABELA. EM QUE CONSISTE ESTE PROJETO? COMO ESTA PESQUISA SE APLICA EM SUA PRODUÇÃO ARTÍSTICA?
O projeto consiste em pesquisar como se dá a formação da poesia sonora nas performances de Marcelo Dolabela e como o acaso pode ser uma potência que viabiliza essa formação. E isso envolve elementos como o improviso, ruído, musicalidade, palavra, enfim, poéticas experimentais da voz. Essa pesquisa se aplica na minha produção na medida em que exploro aspectos sonoros e materiais dos poemas.


COMO SURGIU O FANZINE “PAIDEUMA”? QUAL É A PROPOSTA DESTE PROJETO?
O nome "paideuma" veio de um poema do Dolabela, "os problemas do paideuma" (como idéia para o nome, ou seja, o poema dele me levou para um outro aspecto de Paideuma). Além de ser uma palavra sonoricamente rica, traz a idéia de movimento, grupo. A proposta é divulgar a poesia atual e promover o encontro entre artes literárias e artes plásticas e porque não filosofia. Todos os poemas serão desenhados por artistas plásticos, mas não será uma ilustração, e sim um laboratório do olhar, a imagem que o poema remete para cada um que o desenha. A primeira edição contou com os desenhos dos artistas João Maciel e Rafael Perpétuo. O próximo Paideuma será um ensaio de "mãedeuma", ou seja, só mulheres ou homens com seus devires mulheres. Contará com desenhos de Margarida Campos.A idéia do fanzine que reúne poetas atuais vem de um outro fanzine que eu participava, o T.A.Z (zonas autônomas temporárias ou TAZmania de poesia), editado pelo amigo e poeta Francesco Napoli.

Os problemas do paideuma (Marcelo Dolabela)

até nosso paideuma
provoca celeuma
dizemos: borges
eles entendem:
j.g. de araújo jorge


QUAIS SÃO OS SEUS PLANOS FUTUROS?
Um mistério. Um segredo. Produções que envolvem vida.

2 comentários:

Anônimo disse...

Essa menina-poetisa é pauleira, pauesia... É Paideumas muitas facetas. Boa S-O-A-R-T-R-E na empreitada, moça!!! by Podrera.

francesco disse...

adorei encontrar essa entrevista!carol é admirável! sempre serei fã! ela é foda! parabéns!